Carregando...
 
 
Brasília-DF, 01 de Março de 2012. Ano 8
Hoje
MARÇO/2012
D S T Q Q S S
1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31
Total de 33219 notícias
OPERAÇÃO MONTE CARLO
Ministra diz que nunca recebeu Demóstenes para tratar de Ibama
Da redação em 31/03/2012 19:42:03

O Globo
 
 O Ministério do Meio Ambiente divulgou nota neste sábado afirmando que a ministra Izabella Teixeira nunca tratou de assuntos relacionados ao Ibama com o senador Demóstenes Torres (DEM-GO), em três encontros que os dois tiveram. Segundo a nota, tanto o atual presidente do Ibama, Curt Trennepohl, quanto seu antecessor, Abelardo Bayma, disseram jamais ter recebido Demóstenes.
 
O nome de Izabella Teixeira foi citado em diálogo telefônico do senador com o contraventor Carlinhos Cachoeira, conforme a mais recente edição da revista "Veja". De acordo com a revista, Cachoeira pediu a ajuda de Demóstenes para solucionar uma demanda de um colega do contraventor no Ibama.
 
A nota do Ministério do Meio Ambiente faz referência a três encontros de trabalho da ministra com Demóstenes: uma audiência solicitada pelo senador para tratar da aprovação do projeto de lei de Resíduos Sólidos, em 2010, quando ele era presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado; outra audiência com a presença de representantes do Ministério Público de Goiás, de servidores do próprio ministério e da Agência Nacional de Águas para falar sobre projeto de recuperação de bacia hidrográfica no sul de Goiás; e um terceiro encontro, em 2011, quando Demóstenes teria ido ao ministério entregar convite a Izabella para evento sobre meio ambiente promovido pelo Ministério Público e pelo governo de Goiás.
 
"A ministra esclarece que em nenhum momento o Senador apresentou qualquer assunto relacionado ao IBAMA. Informa, ainda, que o atual Presidente do IBAMA, Curt Trennepohl, e Abelardo Bayma, seu antecessor, nunca receberam em audiência o aludido senador, conforme relato de ambos", diz a nota.
 
Leia o texto divulgado pela assessoria do Ministério do Meio Ambiente:
 
"Nota à imprensa
 
Diante da notícia publicada pela revista Veja, envolvendo seu nome, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, informa que recebeu o senador Demóstenes Torres (DEM-GO), em 2010, atendendo a pedido de audiencia do Senador, para tratar da aprovação da PL de Resíduos Sólidos (ele era Presidente da CCJ) e de audiencia com MPE/GO para tratar de degradação dos rios naquele estado. Uma segunda reunião foi realizada com a presença de membros do MPE/GO, representantes do MMA e da Agência Nacional de Águas, para discutir iniciativa de projeto do MPE/GO de recuperação de bacia hidrográfica no sul do Estado. Em 2011, o Senador foi ao MMA para entregar convite à Ministra para participar de evento promovido pelo Ministerio Público e Governo estadual sobre Meio Ambiente.
 
A ministra esclarece que em nenhum momento o Senador apresentou qualquer assunto relacionado ao IBAMA. Informa, ainda, que o atual Presidente do IBAMA, Curt Trennepohl, e Abelardo Bayma, seu antecessor, nunca receberam em audiência o aludido senador, conforme relato de ambos.
 
Assessoria de Comunicação do Ministério do Meio Ambiente"


CELEBRIDADES
Ex-BBB Kelly posa para o Paparazzo
Da redação em 31/03/2012 15:24:06

  A ex-BBB Kelly posou para o Paparazzo e seu ensaio foi divulgado neste sábado (31). O ensaio foi realizado no Portobello Resort, em Mangaratiba, no Rio de Janeiro.

Fernando David, namorado da sister há um ano e meio, acompanhou tudo. "Eu que pedi para ele vir. Somos muito companheiros em tudo e me sinto mais segura com ele ao meu lado", contou ela, que não gostou de ficar "na seca" durante o "BBB".

"Senti falta de sexo na casa e muitas vezes precisava respirar fundo para esquecer a vontade. Quando os outros brothers começavam a falar do assunto, saía de perto para não surtar", contou aos risos.

Apesar de posar debaixo de muita chuva, Kelly não desanimou: "Isto aqui está sendo um sonho para mim, como vou dizer não? Sou guerreira e batalhadora, não é o frio nem a chuva que vão me fazer desistir. Este ensaio vai ficar lindo", disse a ex-BBB entre um clique e outro. As informações são do EGO.

 

 


OPERAÇÃO MONTE CARLO
Stepan Nercessian pede licença do PPS
Da redação em 31/03/2012 15:21:58

O deputado federal e ator Stepan Nercessian (PPS-RJ) enviou ao presidente nacional do PPS, Roberto Freire, pedido de licença do partido. Stepan também vai solicitar sua saída da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara. A decisão foi tomada depois de reportagem publicada neste sábado pela "Folha de S.Paulo".
 
O jornal informa que o deputado recebeu R$ 175 mil, no ano passado, do contraventor Carlinhos Cachoeira. Parte do dinheiro (R$ 160 mil) seria usada para comprar um apartamento. Outros R$ 15 mil, segundo a reportagem, foram gastos para a compra de um espaço (frisa) no Sambódromo, no carnaval deste ano. Em entrevista ao GLOBO, Stepan afirmou, no entanto, que o valor gasto no carnaval foi de R$ 19 mil.
 
— Me coloquei à disposição. Tenho preocupação com o partido e não me considero nenhum criminoso. Sou um cara que está na vida pública há 44 anos como artista. Tenho todo tipo de amigo. Conheço o Carlinhos (Cachoeira) há mais de 20 anos e sempre tive relação social com ele. Eu estava comprando um apartamento em junho do ano passado e, em cima da hora, o banco me exigiu um comprovante. A pessoa para quem eu podia pedir ajuda era ele. Liguei e ele me emprestou, mas, depois, o próprio banco aprovou. Aí devolvi os R$ 160 mil para a mesma conta — disse o deputado.
 
O apartamento que Stepan comprou estaria avaliado em R$ 500 mil. O outro valor, segundo o deputado, foi usado para a compra de frisas no Sambódromo. Segundo ele, Cachoeira já passou vários carnavais no Rio:
 
— Ele (Cachoeira) e um grupo de amigos de Goiás queriam uma frisa. Aí ele me depositou R$ 19 mil e eu comprei. Essas foram as duas relações com ele.  O PPS vai pedir explicações ao deputado na comissão de ética da legenda. Informações de O Globo.


OPERAÇÃO MONTE CARLO
Apesar do escândalo, governo Marconi não muda equipe
Da redação em 31/03/2012 15:11:43

O colunista Jarbas Rodrigues Jr. (O Popular) informa que o  governo de Marconi Perillo (PSDB) descarta mudanças na equipe por conta das conversas gravadas entre o empresário Carlinhos Cachoeira, o senador Demóstenes Torres (DEM) e outros interlocutores de seu grupo.

Nos últimos dois dias os secretários Wilder Morais (Seinfra), Alexandre Baldy (SIC), além de Edivaldo Cardoso (Detran) e Eliane Pinheiro (chefia de gabinete) foram ouvidos por membros do governo e garantiram que, embora tenham relacionamento com Cachoeira, não realizaram negócio com o empresário preso pela Polícia Federal.

“Como importante aliado, Demóstenes indicou várias pessoas para o governo e a maioria desempenha suas funções com competência. Existe um voto de confiança. O governo não pode é demitir estes auxiliares baseado apenas nas ligações do senador com Cachoeira. Se surgirem fatos concretos, a história muda”, diz Jayme Rincon (Agetop), um dos principais aliados do governador.


OPERAÇÃO MONTE CARLO
Interceptação flagra conversa sobre nomeações no governo de Marconi Perillo
Da redação em 31/03/2012 15:03:33

Pedro Palazzo, O Popular

Numa interceptação telefônica feita pela Polícia Federal (PF) na Operação Monte Carlo, o empresário Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, conversa com Lenine Araújo de Souza, identificado como seu braço direito, sobre sua influência em nomeações no governo de Marconi Perillo (PSDB). Na conversa, o nome do senador Demóstenes Torres (DEM) aparece como elo de Cachoeira, que contava também com a amizade da chefe de gabinete do governador, Eliane Pinheiro. Em uma das interceptações telefônicas, o chefe do grupo desbaratado na operação diz a Lenine que Marconi ficaria “puto” caso houvesse troca em uma indicação.
 
Procurado pelo POPULAR, o governador Marconi Perillo afirmou, por meio de sua assessoria, que não há influência de Cachoeira no governo. “Qualquer conversa envolvendo meu nome foi indevida e sem qualquer consequência no governo. Acerca dessas transcrições, sinceramente, não sei do que se trata.” O governo ouviu separadamente esta semana quatro auxiliares que têm relacionamento com Carlos Cachoeira (Alexandre Baldy, Eliane Pinheiro, Edivaldo Cardoso e Wilder Moraes) e decidiu que eles serão mantidos nos cargos (veja no Giro).
 
A conversa transcrita pela PF foi gravada em 5 de janeiro de 2011, três dias depois de Marconi dar posse ao secretariado. Um dos assuntos é uma suposta mudança de nome escolhido para ocupar cargo. Ao ser informado por Lenine da possível alteração, Cachoeira responde: “Então manda quem te falou falar como Marconi, perguntar pro Marconi se ele vai ou não vai assumir.” Cachoeira desqualifica a fonte de Lenine, mas o nome não é citado no diálogo.
 
Lenine conta que soube da informação por meio de Luziânia. O município era uma das bases do grupo que explora caça-níqueis e demais jogos ilegais. O subcomandante do 5º Comando Regional da Polícia Militar (CRPM), localizado na cidade, Uziel Nunes dos Reis, foi denunciado pelo MPF por repassar informações sigilosas e evitar o fechamento de casas de jogos.
 
No diálogo com Lenine, Cachoeira ressalta que mandou recado ao governador, que já teria indicado alguém para a função em discussão, sobre a qual eles não falam na conversa. “Já mandei avisar a ele. O Demóstenes já ia ligar pra ele”, diz, em referência a Marconi (leia no quadro ao lado).
 
O empresário diz que a situação o indispôs com “Itamar” - que não é identificado na parte do inquérito o qual O POPULAR teve acesso. “Falei pro Itamar, ‘chegando lá você mede força com ele’”. Cachoeira também se refere a uma mulher que teria ficado insatisfeita com a situação. “Já prometeu pra menina lá. (...) E ela, agora, não vai falar é mais nada.”

 Lenine também se refere na conversa a um despacho dado pelo “Japonês” em 30 de dezembro de 2010, penúltimo dia do governo Alcides Rodrigues (PP). No inquérito, “Japonês” é o apelido dado ao coronel Sergio Katayama, também denunciado.  O braço direito de Cachoeira estava preocupado com o despacho, que foi encaminhado à Corregedoria da PM.

 


DISTRITO FEDERAL
Detran não investe em educação na capital dos "pardais"
Da redação em 31/03/2012 14:26:16

Brasília possui mais de 600 controladores de velocidade, os chamados pardais. Estes números colocam a cidade como a capital nacional da multa de trânsito. Valor arrecadado deveria ser investido em campanhas educativas, mas isso não ocorre há dois anos

Luis Ricardo Machado, Jornal da Comunidade

Brasília ostenta um título nada gratificante: o de capital com o maior número de controladores eletrônicos de velocidade do país. Com mais de 600 radares eletrônicos espalhados por suas principais vias, o Distrito Federal se coloca à frente de grandes centros urbanos, exemplo de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Se para a grande parcela da população o número de pardais já é excessivo, para o Governo do Distrito Federal ainda não é o suficiente. Nos últimos três meses o GDF instalou mais 100 radares de fiscalização no Eixão Norte, estradas parque Taguatinga (EPTG), Núcleo Bandeirante (EPNB) e Indústria e Abastecimento (Epia), Via Estrutural e em outras rodovias distritais da capital federal.

O resultado visto nos 1,7 mil quilômetros espalhados pelas 80 vias administradas pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER) é uma média de um aparelho de fiscalização eletrônica a cada 3,7 km. Outro dado que impressiona é o fato do Detran não realizar nenhuma campanha de educação no trânsito em Brasília há cerca de dois anos. O dinheiro arrecadado em multas e em bafômetro deve ser obrigatoriamente direcionado a campanhas educativas. Mas não é isso o que acontece.

Os números resultam na já conhecida indústria da multa, que somente no ano passado, arrecadou R$ 30 milhões em 300 mil penalidades distribuídas. Pesquisadores em segurança no trânsito afirmam que aumentar os redutores de velocidade não será suficiente para reduzir acidentes e mortes no trânsito. Esta é a opinião do pesquisador Flávio Dias, do Centro Interdisciplinar de Pesquisa em Transporte da Universidade de Brasília (UnB).

Para Dias, os equipamentos são usados para corrigir problemas de infraestrutura das vias e não para consertar erros. “Veja a Estrada Parque Taguatinga (EPTG). Foi entregue cheia de problemas e a solução encontrada para diminuir os acidentes foi instalar mais pardais. Essa não deveria ser a prioridade, mas sim os reparos dos erros de execução. Às vezes, os radares até atrapalham e um exemplo é aquele de 40 km/h na curva para entrar na Ponte JK. Todos sabem que frear em curva pode ser perigoso”, avalia o pesquisador.

Uma das medidas sinalizadas pelo especialista em patologia de estruturas da UnB, Dickran Berberian, é a correção de erros nas vias. “Se for para salvar uma vida, eu sou a favor dos pardais, mas eles não podem ser a única solução do trânsito de Brasília”, argumenta.

A punição por meio de multas associada a outras ações é também uma medida sugerida pelo especialista em transportes da UnB, Artur Morais. Para ele, o governo não pode partir de uma única solução, apesar do aumento da fiscalização das vias por meio de pardais e agentes ser benéfico. “É preciso investir em sinalização, pavimentação decente, sistemas de escoamento de água e outros pontos que contribuem para melhorar o trânsito”, ressalta Morais. “Sem trabalhar os problemas de sinalização e intraestrutura das vias, o aumento da fiscalização eletrônica é mais para faturar que para disciplinar o trânsito”, enfatiza Berberian.
 
Contraponto

O traçado de Brasília é uma das justificativas do governo para o alto número de radares eletrônicos e o argumento é que as vias favorecem o excesso de velocidade. “Efetivamente precisamos de um número, digamos, excessivo de pardais para nossa própria segurança. Nenhum país do mundo reduziu o número de feridos e o número de mortos sem reduzir a velocidade, especialmente em áreas urbanas”, defende o professor Davi Duarte, doutor em segurança de trânsito da UnB.  O fato das vias serem expressas e sem intervenções, como semáforos e quebra-molas, é outro fator que colabora para o aumento no número de pardais nas vias do Distrito Federal.

O número de mortes registradas em uma determinada via é um dos critérios para a instalação de pardais. Dados revelam que de 2010 para 2011 foram registradas sete mortes a menos nas vias do DF, algumas delas ocorridas no Eixão Norte. Um deles ocorreu no ano passado, após colisão entre um Gol e um Fox, na altura da 106/206 Norte. O acidente deixou uma jovem de 25 anos morta, um casal gravemente ferido e um congestionamento de 4 km, com trânsito parado por mais de três horas.

“Quando ocorre algum problema, o Detran estuda a melhor saída para aquele local, mas às vezes não dá para começar uma obra. Então, a solução pode ser a mais imediata, como colocar um pardal ou uma passarela”, diz o diretor de Policiamento e Fiscalização de Trânsito do Detran, Nelson Leite. Devido ao índice de acidentes no Eixão, o número de pardais pulou de 23 para 31, e a próxima via a receber mais fiscalização será a EPTG, que terá 35 na pista expressa e 15 nas marginais, totalizando 50 controladores eletrônicos de velocidade em seus 12,6 quilômetros de extensão.


OPERAÇÃO MONTE CARLO
Gravações revelam favores de senador para empresário
Da redação em 31/03/2012 14:09:01

Gravações da Polícia Federal mostram que o empresário Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, pediu a ajuda ao senador Demóstenes Torres (DEM-GO) para impedir a convocação do empresário Fernando Cavendish, dono da construtora Delta, para depor numa comissão da Câmara, em maio do ano passado.A informação está em reportagem de Lucas Ferraz e Andreza Matais, publicada na Folha deste sábado.

A Delta cresceu nos últimos anos fazendo negócios com o governo federal e vários Estados e Cachoeira tinha interesse em promover negócios da construtora com o governo de Goiás, de acordo com a investigação da PF
 
As investigações da PF indicam que o senador usou o cargo para atender pedidos do empresário, preso e investigado por suspeita de explorar ilegalmente jogos de azar.
 
Em conversas divulgadas ontem pelo jornal "O Globo" mostram Demóstenes discutindo com Cachoeira um projeto de lei que transforma em crime a exploração de jogos de azar, nomeações de funcionários do Senado e o andamento de um processo judicial de interesse do empresário em Goiás.
 
 OUTRO LADO

O advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, responsável pela defesa do senador, afirmou à Folha que não vai comentar o teor dos grampos da Polícia Federal. "Ainda não tive acesso a essas gravações." Castro, contudo, voltou a dizer que as gravações não têm valor jurídico e que elas são totalmente nulas.
 
Em nota, a construtora Delta informou que as "áreas de relacionamento institucional da empresa e o presidente do Conselho de Administração do Grupo Delta, Fernando Cavendish, desconhecem o teor, a motivação e a natureza do diálogo". Ontem, a Folha procurou o advogado Márcio Thomaz Bastos, defensor do empresário Carlinhos Cachoeira. Ele afirmou que preferia não se manifestar.


OPERAÇÃO MONTE CARLO
PPS pede explicações a Nercessian sobre envolvimento com Cachoeira
Da redação em 31/03/2012 13:48:36

O Partido Popular Socialista (PPS) anunciou neste sábado que vai pedir explicações formais, por meio de seu Conselho de Ética, ao deputado federal Stepan Nercessian (PPS-RJ). O parlamentar confirmou, ao jornal Folha de S. Paulo, ter recebido R$ 175 mil do empresário Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, acusado de chefiar uma quadrilha que explorava o jogo ilegal.

De acordo com a assessoria do partido, Stepan terá uma semana para enviar explicações ao partido sobre sua situação. O Conselho de Ética do PPS analisará o caso. Nercessian solicitou o seu afastamento de todos os cargos ocupados no partido.

De acordo com o deputado, o dinheiro emprestado seria usado para a aquisição de um imóvel residencial. Ele disse que havia solicitado um empréstimo bancário, mas como não tinha garantias de seu recebimento, recorreu ao empresário para não perder o negócio. Como o empréstimo do banco foi aprovado, Stepan acabou devolvendo o dinheiro de Cachoeira.


DISTRITO FEDERAL
GDF investirá R$ 672,2 milhões em infraestrutura
Da redação em 31/03/2012 10:47:19

O Governo do Distrito Federal (GDF) vai começar a investir o dinheiro do superávit de R$ 627,2 milhões conseguido nos primeiros meses deste ano nas 32 regiões administrativas da capital federal. O foco inicial serão obras de infraestrutura. A informação foi passada ontem pelo governador Agnelo Queiroz a todos os administradores regionais em reunião no Palácio do Buriti. Além disso, o chefe do Executivo local anunciou a criação de um comitê técnico permanente, que será responsável pelo acompanhamento da execução orçamentária. O comitê é presidido pelo governador e coordenado pelo secretário-chefe da Casa Civil do DF, Swedenberger Barbosa. A intenção é ter um controle maior sobre a aplicação dos recursos nas regiões.

O secretário de Fazenda do DF, Marcelo Piancastelli, justificou que o superávit registrado indica que o governo saneou as contas, mas não que tem dinheiro sobrando. “Um governo gastador não é sinônimo de governo eficiente. O GDF tem o que comemorar por ter colocado as contas em dia e conquistado o superavit, mas isso não quer dizer que tem dinheiro de sobra. As demandas são muitas e, para atendê-las, é preciso eficiência. É necessário racionalizar a aplicação dos recursos. O governo não pode sair gastando só para dizer que gastou”, avisou.Informações do Correio Braziliense.


DISTRITO FEDERAL
TCDF considera ilegal aposentadoria de Alírio Neto na Polícia Civil
Da redação em 31/03/2012 00:43:48

Deputado distrital, mas atualmente secretário de Justiça do GDF, Alírio Neto (PPS) terá de ser reincorporado à ativa na carreira de delegado, segundo uma decisão do Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF)da última terça-feira. A Corte acompanhou avaliação da área técnica do órgão e considerou ilegal a aposentadoria com proventos integrais paga a Alírio. O tribunal sustenta que o servidor não tem o tempo suficiente de serviço prestado em atividade estritamente policial para justificar o benefício.

A Lei Complementar nº 51/85 em seu Artigo 1º estabelece que o benefício com salário integral é pago após 20 anos de serviço em cargo específico da carreira policial. De acordo com o relatório produzido pelo corpo técnico do TCDF, Alírio teria 5.721 dias nesse tipo de atividade, ou seja, 15 anos, oito meses e seis dias, o que está, segundo o tribunal, aquém do exigido pela lei. Quando requisitou os proventos, no entanto, Alírio informou no processo ter atuado na função por 9.839 dias, o que equivale a 26 anos, 11 meses e 19 dias.Informaçõs co Correio Braziliense



POLÍTICA
MP pede que presidente do DEM seja investigado por relações com máfia
Da redação em 30/03/2012 21:53:13

 O Ministério Público do Rio Grande do Norte enviou à Procuradoria-Geral da República pedido para que investigue o presidente nacional do DEM, senador José Agripino (RN), apontado como beneficiário de pagamentos feitos pela máfia da inspeção veicular em seu Estado. Em depoimento, o empresário José Gilmar de Carvalho Lopes, preso na Operação Sinal Fechado, relatou o suposto repasse de R$ 1 milhão ao parlamentar e a Carlos Augusto Rosado, marido da governadora do RN, Rosalba Ciarlini (DEM).

Segundo a Promotoria de Defesa do Patrimônio Público, Lopes é sócio oculto do advogado George Olímpio, apontado como mentor das fraudes na inspeção veicular e outros projetos do Detran-RN. Nas declarações, de 24 de novembro, mesmo dia das prisões de envolvidos no esquema, ele disse que Olímpio lhe relatou ter feito pagamentos a Agripino e Rosado.

O valor teria sido pago em dinheiro, parcelado, na campanha de 2010, e a negociação teria ocorrido no sótão do apartamento do senador em Natal. Agripino nega ter recebido propina, mas diz que Olímpio esteve no imóvel, interessado em implementar o contrato de inspeção veicular no governo de Rosalba.

Agripino pediu ao grupo Estado que ligasse para o advogado de Lopes, José Luiz Carlos de Lima, que desmentiu o depoimento do cliente. Segundo ele, Lopes estava sob efeito de medicamentos quando fez as acusações. As informações sobre a operação foram enviadas à PGR, que decidirá se há elementos para pedir ao Supremo Tribunal Federal investigação contra o senador.

A Operação Sinal Fechado apurou o desvio de recursos do Detran-RN para empresas de Olímpio e pessoas ligadas a ele. Segundo o MP, políticos receberam vantagens para favorecê-las em licitação e contratos públicos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


PARANÁ
MP-PR denuncia corrupção em merenda de Londrina
Da redação em 30/03/2012 19:03:47

Agência Estado

O Ministério Público do Paraná, por meio da Promotoria de Proteção ao Patrimônio Público de Londrina, no norte do Estado, ajuizou, nesta quinta, ação civil pública denunciando por ato de improbidade administrativa pessoas públicas e empresas que forneciam merenda escolar na rede municipal. De acordo com o MP, os indícios apontam para os crimes de formação de cartel, fraude à licitação, corrupção ativa e passiva e lavagem de ativos que ensejaram o enriquecimento ilícito de agentes públicos e causaram lesão ao erário. Esquemas supostamente fraudulentos para fornecimento de merenda escolar foram denunciados no ano passado pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Entre as sete empresas citadas na denúncia está a SP Alimentação e Serviços, acusada de fraudar licitações e financiar campanhas políticas irregularmente em vários Estados. No ano passado, a direção já tinha negado qualquer envolvimento em atos irregulares. De acordo com o MP-PR, as empresas definiam previamente as cidades em que cada uma delas atuaria e, em acordo com agentes públicos, orientavam os editais. "Estrutura de verdadeira organização criminosa, fraudavam licitações de forma a garantir às empresas integrantes do cartel, contratos de fornecimento de alimentos a municípios brasileiros, notadamente o fornecimento de merenda escolar à rede pública de ensino, mediante o pagamento de propina a agentes públicos", ressaltou a ação.


DISTRITO FEDERAL
TCDF suspende edital da festa dos 52 anos de Brasília
Da redação em 30/03/2012 18:59:33

O Tribunal de Contas do Distrito Federal suspendeu o edital para contratação de empresa que montaria a estrutura da festa dos 52 anos de Brasília. Com valor estimado em R$ 7,2 milhões, a licitação seria realizada na tarde desta quinta-feira (29).
 
A Secretaria de Cultura do DF informou que entrou com recurso para realizar o pregão, que teve preço final de R4 3,2 milhões. O tribunal informou que a medida não foi analisada porque a suspensão ocorreu em caráter cautelar e que a licitação pode ser anulada.
 
Auditores do tribunal encontraram falhas na pesquisa de preço e indícios de irregularidades, como possível sobrepreço de R$ 810 mil e diferenças de até 93% em relação ao valor praticado pelo mercado. O pregão, estimado em R$ 7,2 milhões, também previa subcontratação de 100% de alguns serviços, o que fere a Lei das Licitações.
 
Além disso, uma cláusula do processo poderia configurar restrição da competitividade e direcionamento, informou o tribunal. O órgão determinou que a Secretaria de Cultura elabore nova pesquisa de preços para compatibilizá-los com os de mercado, estabeleça limites para a subcontratação e exclua do edital a cláusula.
 
Segundo a secretaria, a exigência que configuraria restrição da competitividade e direcionamento antes mesmo da suspensão e que as subcontratações foram justificados no processo de acordo com a Lei das Licitações.
 
Réveillon
 O edital para a contratação de empresa para a produção, organização, montagem e execução da festa de réveillon na Esplanada dos Ministérios também foi cancelado pelo Tribunal de Contas no ano passado. Para o órgão, havia indícios de combinação de valores, sobrepreço e restrição da concorrência.
 
A concorrência foi liberada dois dias depois porque, segundo o tribunal, o governo reduziu em 36,5% do valor estimado da festa, que passou de R$ 4.458.300 para R$ 2.834.900. Informações do G1.


DISTRITO FEDERAL
Pesquisa O&P: Eliana é a melhor deputada da Câmara Legislativa
Da redação em 30/03/2012 14:55:24

Pesquisa do Instituto O&P Brasil mostra que a  deputada distrital Eliana Pedrosa (PSD) é a parlamentar com o melhor desempenho da Câmara Legislativa do DF com 7,8% da preferência dos entrevistados. O segundo colocado é o deputado Chico Leite com 7,1%. Já o presidente da Câmara Legislativa, Patrício (PT),  aparece com 4,8%. Na lanterna está o recém chegado distrital Robério Negreiros (PMDB) com 0,4%.

A pesquisa entrevistou 800 pessoas no DF e foi realizada entre os dias 22 e 25 últimos. A margem de erro é de 3,5%.

 

Confira a lista:

Eliana Pedrosa (PSD) – 7,8%
Chico Leite (PT) – 7,1%
Patrício (PT) – 4,8%
Chico Vigilante (PT) – 4,4%
Dr. Michel (PSL) – 4,1%
Rôney Nemer (PMDB) – 3,3%
Liliane Roriz (PSD) – 2,4%
Wasny de Roure (PT) –  2,1%
Agaciel Maia (PTC) – 2,0%
Arlete Sampaio (PT)  - 1,9%
Paulo Roriz (DEM) – 1,9%
Cláudio Abrantes (PPS) – 1,8%
Celina Leão (PSD) – 1,6%
Benedito Domingos (PP) – 1,6%
Dr. Charles (PTB) – 1,5%
Luzia de Paula (PPS) – 1,3%
Washington Mesquita (PSDB) – 1,0%
Aylton Gomes (PR) – 1,0%
Olair Francisco  (PTdoB) – 0,9%
Joe Valle (PSB) – 0,9%
Evandro Garla (PTB) – 0,9%
Siqueira Campos (PSC) – 0,6%
Prof. Israel Batista (PDT) – 0,5%
Roberio Negreiros (PMDB) – 0,4%
Nenhum – 32%
NS/NR – 11,6%

 


OPERAÇÃO MONTE CARLO
DEM vai pedir para Demóstenes Torres deixar o partido
Da redação em 30/03/2012 12:07:37

A cúpula do DEM vai pedir ao senador Demóstenes Torres (DEM-GO) que saia do partido antes da abertura de um processo de expulsão.Integrantes do partido em Goiás foram escalados para procurar Demóstenes até segunda-feira e aconselhá-lo a deixar a legenda por conta própria, segundo a Folha apurou. Os novos documentos e gravações envolvendo o nome do senador e o empresário Carlinhos Cachoeira estão sendo considerados gravíssimos pela cúpula do DEM.
 
Os membros da legenda conversaram nesta manhã e concluíram que a permanência do senador nos quadros da legenda ficou insustentável. Publicamente, o partido evita adotar o discurso, mas nos bastidores já trabalha pela saída do senador.
 
A pressão maior pela saída de Demóstenes parte da bancada do DEM na Câmara dos Deputados. Ontem, um grupo de deputados chegou a convocar reunião da Executiva Nacional para discutir o caso na terça, mas o presidente da legenda, senador José Agripino (RN), decidiu cancelar.
 
A ideia de sugerir a Demóstenes a desfiliação por conta própria é evitar o desgaste de um processo de expulsão, que dependeria da ação de um filiado pedindo a abertura deste tipo de procedimento.
 
A desfiliação partindo de Demóstenes seria um enredo parecido ao do ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda, que pediu para deixar o partido antes de ser expulso durante o escândalo de corrupção no Distrito Federal.
 
De acordo com as escutas, divulgadas nesta sexta-feira (30) pelo jornal "O Globo", o senador acertou com o empresário, que foi preso pela Polícia Federal, ajuda em processo judicial e em projeto de legalização de jogos de azar em tramitação no Congresso. Nas gravações, Demóstenes também fala com Cachoeira de negócios com a Infraero na época que ele era relator da CPI do Apagão Aéreo.
 
Hoje a Folha mostrou que investigações da Polícia Federal apontam que Carlinhos Cachoeira repassou informações sobre apurações contra o seu grupo ao senador Demóstenes Torres.
 
No inquérito a que a Folha teve acesso, o nome de Demóstenes aparece, por exemplo, num relatório da PF sobre um diálogo gravado com autorização judicial no dia 13 de março do ano passado, às 15h37.
 
Nele, conversam CCachoeira e o sargento aposentado da Aeronáutica Idalberto Matias, o Dadá --apontado pela Procuradoria como o principal araponga da quadrilha. Ambos estão presos. De acordo com a PF, eles falavam sobre investigações sigilosas que o grupo sofria à época, quando a Monte Carlo já estava em andamento.
 
A Folha tentou contato com o senador nesta sexta-feira, mas não obteve resposta até o fechamento desta reportagem. Informações da Folha.



< Anterior | 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | Próximo >
410 registros

Edição:


Sem frase

Sem enquetes no momento.

Sem broncas

Enviar bronca
MP3 Player


Iniciar sessao