O deputado federal Jovair Arantes (PTB) foi referendado ontem como candidato único da base aliada ao governador Marconi Perillo (PSDB). Depois da convenção do PTB, que promulgou seu nome, o PSDB anunciou em coletiva que retiraria a postulação do deputado estadual Fábio Sousa, que até o último momento tentou se viabilizar e fazer com que a base saísse com dois candidatos.

Falta agora apenas a definição do candidato à vice, que deve sair de reuniões que ocorrem desde a noite de ontem entre os partidos aliados. Até o fechamento desta edição estavam confirmados os apoios, além do PSDB, de PSD, PHS, PV, PP, PSC, PPS, PT do B, PTC, PSL, PTC e PSDC à postulação do petebista. Aliados falavam durante a convenção em 14 legendas coligadas. Destes, os mais prováveis a indicar o vice seriam o PSDB, PSC ou PSD.

O empresário e ex-prefeito de Senador Canedo Vanderlan Cardoso (sem partido) tenta viabilizar a indicação do vereador Simeyzon Silveira (PSC) para a vice. A reportagem apurou que, para declarar apoio a Jovair, Vanderlan teria como condição o PSDB fora da coligação e ainda um compromisso de apoio do petebista a uma possível candidatura do empresário ao governo de Goiás em 2014.

Existe ainda a possibilidade de Jovair contar com o PSB na vice, apesar de o partido em Goiânia já haver declarado apoio à candidatura de Paulo Garcia (PT), inclusive em convenção. Ocorre que o comando nacional da legenda teria compromisso a cumprir com o petebista.

Trata-se de um acordo selado em 2011, quando o deputado desistiu de disputar vaga no Tribunal de Contas da União (TCU) para abrir espaço à colega de Câmara Federal Ana Arraes (PSB-PE), mãe do governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB). Em troca, Eduardo, presidente nacional do PSB, teria se comprometido a apoiar Jovair em Goiânia.

Oficialmente, o comando da sigla em Goiás nega a possibilidade. Entretanto, o petebista continua cobrando o apoio. “Eu sou daqueles que quando faço compromisso cumpro. Eu espero que o governador (Eduardo Campos) cumpra. Na política tem também quem não cumpre acordos”. Mas amenizou: “O governador é um homem sério”.

Marconi

A definição do nome de Jovair Arantes como candidato único da base teve influência direta do governador, que, conforme o apurado pela reportagem, teria articulado de forma discreta pela definição. Depois de terem iniciado a semana com cinco pré-candidaturas, os governistas iniciaram o dia de ontem com apenas duas postulações: a de Jovair e a de Fábio Sousa.

O tucano teria ouvido do governador que poderia ser a cabeça de uma segunda chapa desde que conseguisse pelo menos cinco minutos de televisão, articulação que passava diretamente pelo PSD. No entanto, o próprio Marconi teria pedido para que a sigla manifestasse apoio à candidatura de Jovair. “A prova disso é que o Armando (Vergílio, deputado federal e presidente do PSD em Goiânia) não se dá bem com o Jovair e mesmo assim os dois partidos vão caminhar juntos”, afirmou um governista.

Durante a entrevista coletiva concedida para anunciar a desistência de Fábio, o próprio Jovair tocou no assunto. “Desavenças acontecem, já aconteceram, mas nós estamos juntos para mostrar que na política se olha para frente, não para trás”, disse o petebista ao agradecer o apoio de Armando. O pessedista era filiado ao PTB em 2009 e deixou a sigla após divergências com o candidato governista.

Ao falar sobre a desistência, Fábio disse que “foi difícil” do ponto de vista pessoal anunciar sua desistência, mas que foi fácil tomar a decisão em nome da base (leia reportagem ao lado). Logo depois, o secretário extraordinário de Articulação Política, Sérgio Cardoso (PSDB), interrompeu a entrevista para passar um telefonema de Marconi para Jovair e Fábio, que falou rapidamente com o governador. “Sob o seu conselho, sob sua ordem, estamos juntos para ganhar essas eleições,” afirmou.

Perguntado sobre a importância de Marconi na disputa de outubro, Jovair disse que o governador é “importante cabo eleitoral, porque tem história, mas temos vários cabos eleitorais que vão começar lá no setor mais pobre até o Centro, sem diferenciação”. E continuou: “O que preciso nesse processo é do engajamento de todas as pessoas”.

Experiência

Apesar de nunca haver ocupado cargo como chefe de Executivo, Jovair defendeu ontem que seu nome representa experiência na disputa. “É um projeto que nós acalentamos há muitos anos, para poder resolver uma série de problemas crônicos que a cidade tem”, disse.